MOSTRA DE FILMES

  ARQUIVOS DA DITADURA
mostra de filmes
12 A 18 de setembro de 2014 | CCJF
   A mostra de filmes Arquivos da ditadura acontecerá no Centro Cultural Justiça Federal, de 12 a 18 de setembro. São treze filmes sobre o período da repressão realizados por brasileiros, alguns deles feitos no exílio, como três documentários raros de Luiz Alberto Sanz, pela primeira vez com legendas em português. Além de Sanz, outros cineastas da mostra participaram da resistência à ditadura, como Olney São Paulo, Lúcia Murat e Sílvio Da-Rin. A mostra prevê ainda a estreia do documentário Retratos de identificação (Anita Leandro, 2014), que traz à tona o acervo fotográfico do antigo DOPS da Guanabara e do Superior Tribunal Militar. As projeções são seguidas de debates com cineastas convidados e pesquisadores de cinema e história.
   Em programação especial, o filme 48 (Susana de Sousa Dias, 2009), feito com os arquivos da ditadura Salazar, e uma master class com a cineasta portuguesa.

PROGRAMAÇÃO

12/09/2014, sexta-feira

14h30 PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: ARQUIVOS DA DITADURA SALAZAR
10425356_347572132065983_502834949792053671_n
48
Susana de Sousa Dias, Portugal, 2009, 90 min.
Os 48 anos da ditadura Salazar, na voz dos sobreviventes e nas fotografias de identificação policial.
MASTER CLASS
com Susana de Sousa Dias. Mediação: Andrea França.
• Esta sessão requer uma inscrição gratuita, saiba mais em INSCRIÇÕES
18h30: ABERTURA DA MOSTRA
Chael fundo preto Marseille 2
RETRATOS DE IDENTIFICAÇÃO
Anita Leandro, Brasil, 2014, 71 min.
Dois sobreviventes da resistência à ditadura militar se deparam, pela primeira vez, com fotografias tiradas pela polícia. O passado retorna.
DEBATE
Anita Leandro. Mediação: Patrícia Machado

13/09/2014, sábado

14h30: PROGRAMA LUIZ ALBERTO SANZ
10670195_347790948710768_1103564209322619246_n
NÃO É HORA DE CHORAR
Pedro Chaskel e Luiz Sanz, Chile, 1971, 31 min (leg. port.).
Exilado no Chile, Luiz Sanz filma o testemunho de seus companheiros.
10599389_344497169040146_1413324672200873761_n
GREGÓRIO BEZERRA
Luiz Alberto Sanz e Lars Säfström, Suécia, 1978, 30 min.
Em Estocolmo, o combatente comunista fala da tortura sofrida e nomeia seus algozes.
Nós-a-chamávamos-Dora
QUANDO CHEGAR O MOMENTO (Dôra)
Luiz Alberto Sanz e Lars Säfström, Suécia, 1978, 65 min (leg. port.).
Em Berlim, Reinaldo Guarany fala do suicídio de Maria Auxiliadora Barcellos, no exílio.
DEBATE
Luiz Sanz e Reinaldo Guarany. Mediação: Anita Leandro.
18h00: PROGRAMA OLNEY SÃO PAULO
• Sinais de cinza
Henrique Dantas, Brasil, 2013, 86 min.
A trajetória Olney São Paulo, morto precocemente, depois de preso e torturado por causa do filme Manhã cinzenta.
• Manhã cinzenta
Olney São Paulo, Brasil, 1968, ficção, 18 min.
Durante uma manifestação, dois estudantes são presos, torturados e processados por um cérebro eletrônico.
DEBATE
Henrique Dantas e José C. Avellar. Mediação: Patrícia Machado.

14/09/2014, domingo

16h00: PROGRAMA LUIZ ALBERTO SANZ
• Não é hora de chorar
Pedro Chaskel e Luiz Alberto Sanz, Chile, 1971, 31 min (leg. port.).
Exilado no Chile, Luiz Alberto Sanz filma o testemunho de seus companheiros.
• Gregório Bezerra
Luiz Alberto Sanz e Lars Säfström, Suécia, 1978, 30 min.
Em Estocolmo, o combatente comunista fala da tortura sofrida e nomeia seus algozes.
• Quando chegar o momento (Dôra)
Luiz Alberto Sanz e Lars Säfström, Suécia, 1978, 65 min (leg. port.).
Em Berlim, Reinaldo Guarany fala do suicídio de Maria Auxiliadora Barcellos, no exílio.
DEBATE
Luiz Sanz e Reinaldo Guarany. Mediação: Anita Leandro.

16/09/2014, terça- feira

14h30: PROGRAMA MARCAS DA MEMÓRIA
• Repare bem
Maria de Medeiros, Brasil, 2012, 105 min.
Denise Crispim fala de seu marido Eduardo Leite, o Bacuri, assassinado após 109 dias de violentas torturas.
• Os militares que disseram não
Sílvio Tendler, Brasil, 2013, 100 min.
Eles lutaram contra o golpe e foram perseguidos, cassados, torturados e mortos.
• 18h30: Hércules 56
Sílvio Da-Rin, Brasil, 2006, 94 min.
Em 1969, o embaixador americano no Brasil, Charles Elbrick, foi sequestrado e trocado por 15 presos políticos.
DEBATE
Sílvio Da-Rin. Mediação: Paulo Oneto.

17/09/2014, quarta-feira

• 14h30: Que bom te ver viva
Lucia Murat, Brasil, 1989, 98 min.
Presa e torturada durante a ditadura, a cineasta Lucia Murat encontra outras mulheres que sobreviveram.
• 16h30: Em nome da segurança nacional
Renato Tapajós, Brasil, 1984, 45 min.
Em 1983, o Tribunal Tiradentes julga a Lei de Segurança Nacional.
• 18h30: Cabra marcado para morrer
Eduardo Coutinho, Brasil, 1985, 119 min.
Na Paraíba, cineasta reencontra os personagens de uma filmagem interrompida com o golpe de 64.
DEBATE
Eduardo Escorel. Mediação: Thaís Blank.

18/09/2014, quinta-feira

• 14h30: Não é hora de chorar
Pedro Chaskel e Luiz Alberto Sanz, Chile, 1971, 31 min.
Exilado no Chile, Luiz Alberto Sanz filma o testemunho de seus companheiros.
• 15h30: 70
Emília Silveira, Brasil, 2013, 80 min.
Em 1970, o embaixador suíço é capturado, em troca de 70 presos políticos. O filme reencontra esses personagens 40 anos depois.
• 18h30: Retratos de identificação
Anita Leandro, Brasil, 2014, 71 min.
Dois sobreviventes da resistência à ditadura militar se deparam, pela primeira vez, com fotografias da prisão, tiradas pela polícia. O passado retorna.
DEBATE
Emília Silveira e Anita Leandro. Mediação: Juniele Rabêlo de Almeida.

Os ingressos custam R$ 2,00 (ou R$1,00 a meia entrada).
Centro Cultural Justiça Federal
Av. Rio Branco, 241 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20040-009
(21) 3261-2550
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s